Facebook do Piratacast Twitter da Equipe Piratacast TV do Bau Piratacast, Diário de Bordo e Papo Pirata Feed do Site Feed do Podcast Assine no Itunes Entre em Contato

Jabour_rio (@jabour_rio), Iskilo (@iskilo666), Junior (@Junior_cq) e Cleverson (@cleverson) em uma ação ousada, correndo o risco de afundar o barco por excesso de peso, trazem – o já figurinha carimbada – Dudu Sales (@eduardo_sales) do Papo de Gordo, Carlos Tourinho (@touroman) do Pauta Livre News e Leo Lopes (@leoradiofobia) do Radiofobia para trocar opiniões divergentes e experiências sobre sair de casa e fazer morada no mundo!

Quais as facilidades e dificuldades de ir morar em outra cidade? E outro país? É fácil de se manter? Será que brasileiro realmente consegue se dar bem em qualquer lugar – levando no jeitinho – ou é mito? E saudade de casa, como fica? Isso e muito mais, só apertando o play!

Opine ou conte-nos alguma experiência pessoal relacionada ao tema no espaço de comentários abaixo ou envie um e-mail para o piratacast@piratacast.com que comentaremos no próximo PAPO PIRATA, o nosso podcast de feedback da galera.

EDIÇÃO e TRILHA SONORA:
Jabour_rio (@jabour_rio)

Audio clip: Adobe Flash Player (version 9 or above) is required to play this audio clip. Download the latest version here. You also need to have JavaScript enabled in your browser.


Piratacast 29 – Quando sai de casa
Download MP3 64k
Download ZIP 128k

Quer ter todos os artigos do Baú Pirata e/ou os Podcasts
de forma automática direto no seu computador? Assine nossos feeds!

Categoria(s): Piratacast

92 marujos comentaram até agora...

  1. Willian disse:

    CADÊ A FOTO? XD

    Cabei de baixar, depois comento.

  2. Nossa, quanto tempo não comento…
    To fazendo um remember dos outros casts e vou comentar em todos =)
    O Tourinho é bem via… jado mesmo
    huahuahuhuau
    Escutando aqui.
    Depois comento melhor.
    Abração
    Alexandre

  3. Eita porra…
    Eu confundi o Leo Lopes com o Tourinho… x.x
    Vou escrever um e-mail, já que vcs reclamaram que não recebem e-mail no papo pirata =D
    Escutei esse piratacast e o papo pirata 28. =D
    Mando e-mail pros 2 depois, ok?
    Ou e-mail pro piratacast e comentário no papo pirata… tanto faz.
    Abraços

  4. FrankCastle disse:

    Fala aí galera!

    Ótimo tema! Realmente nas adversidades como as muitas citadas é que a pessoa evolui. No pain, no gain!

    No meu trabalho mesmo entrou um cara que veio lá de Santa Catarina (estou em Osasco – SP) ele foi indicado por uma conhecida do chefe. Ele veio, fez entrevista, passou, largou o trabalho e tudo para vir trabalhar e morar em SP. Conversei com ele sobre isso e ele disse que realmente era tudo diferente, que há alguns dias atrás tinha roupa lavada pela mãe, comida, tudo de mão beijada. Já agora, vai ter que ralar, hehe. Mas o objetivo dele era “morar em SP”, então aceitou o desafio.

    Eu, particularmente e infelizmente, continuo morando com os meus pais e confesso que estou meio acomodado. Acho que há vários e vários motivos para sair de casa, mas um dos que mais vejo, são pessoas mudando cidade ou de estado por causa de estudo ou trabalho. Nesse ponto, acho que a galera que mora em cidades do interior ou em estados que não tem tantos recursos, costumam sair de casa mais facilmente do que os que vivem no eixo RJ/SP próximo das capitais. Pois como o acesso a tudo está mais fácil, não tem tanta necessidade de sair por causa de estudo ou trabalho (a não ser que realmente queira por vontade própria fazer isso).

    Acho que conta muito também o tipo de criação que os pais dão aos filhos. Se ficam prendendo muito ou protegendo muito os filhos durante a pré-adolescência e adolescência, não adianta querer que o filho se torne independente do dia para noite ao completar 18 anos.

    Nos EUA, pelo menos seguindo aquele clichê dos filmes e séries, acho que isso acontece mais naturalmente. Pois como foi dito, lá pode se tirar a habilitação com 16 anos (quanto a parte penal não sei). Há também aquele outro: os jovens terem como objetivo serem aprovados numa universidade específica e, neste caso, vão até onde ela está. Até se mudando e morando em república. Aqui onde moro, pelo menos, o pessoal geralmente faz faculdade na cidade onde mora ou Em cidades vizinhas. Acho que se não houvesse essa facilidade de ter “tudo na mão”, as pessoas se aventurariam mais.

    Meus pais são migrantes (eram de cidades do interior), vieram jovens para SP, basicamente por causa de emprego. De repente, viajar para relaxar, ok, mas eu não iria morar no interiorzão nem fudendo, muito boring. (a não ser quando eu estiver velho).

    Enfim, falei demais, mas só dei um dos vários exemplos. No mais acho que muito do comodismo dessas novas gerações vem do protecionismo excessivo dos pais, não adianta o pai e mãe proteger demais o filho, pois o que não aprender em casa, a vida nesse mundão ensina na marra!

    No mais, acho que como foi dito no cast, cada um tem que buscar sua motivação para sair de casa.

    PS: Quanto a questão das “colônias”, acho que o legal é não ficar junto apenas de quem você conhece, tem que se enturmar com o pessoal do local. É como aquele lance de criança que vai estudar numa escola nova e conhece um amigo que está na mesma sala. Se ficar conversando apenas com o amigo que já conhece, provavelmente vai continuar sem conhecer e sem conversar com o resto da turma

    Falou!

    • .
      .
      Cara… Isso de sair de casa de papai é sempre muito relativo também… Eu tô lá até hoje e ficarei mesmo após o casamento em 12/05/2012, pois farei “um puxadinho” na parte de cima da casa… Acredito que além do que você falou, o fato de eu sempre ter tido total liberdade para considerar a casa como minha e não somente “casa dos meus pais” me levou a ficar.

      Sair só por sair? Pra que? Sempre levei namoradas em casa, pois meu quarto tem entrada independente. Sempre ajudei com algumas contas, então nunca me senti um “peso”. Trabalharmos juntos, então muitas vezes o trabalho extrapola a sede da empresa e continua em casa… Isso e vários motivos me fazem não ter o desejo de “sair de casa a qualquer custo”…
      .
      .

      • FrankCastle disse:

        Verdade! Também penso nessa questão de “unir forças”. Se você e sua namorada/esposa trabalham e tem condições de bancar uma casa, ok. Mas caso contrário, ou divide com algum amigo/amiga ou se fode mesmo, hehehe.

        Sem contar que devido a superpopulação, está difícil arrumar casa para morar perto de onde queremos. Eu não curto apartamento, mas geralmente é essa a opção que acaba sobrando.

        Como um amigo meu diz: você tem que ser uma “potência” em sua casa, ajudar nas contas para se sentir no direito de mandar e desmandar, hehe

  5. iskilo666 disse:

    Aí o vídeo do carro pegando fogo em Cuiabá, que comentei no inicio do cast..

  6. Nobres amigos, só tenho que dizer que esse foi o melhor PirataCast que vocês já fizeram. E isso não é desmerecimento com o trabalho feito anteriormente. Olha, deu gosto ouvir um programa tão agregador. Muitas histórias ótimas de vida de cada participante e é difícil não se identificar com algo.

    Parabéns e que mais programas assim aconteçam com mais frequência. Chega de programa com piadinha e que abram as portas para programas que acrescentem algo aos ouvintes.

    Abração!

    PS: Parabéns pela trilha também.

    • .
      .
      Olha quem resolveu aparecer… hehe. valeu pelo comentário velhão… Não sabia que vc ainda ouvia a gente… E outra… temos alguns temas aí que são bem mais que “piadinhas” rapá… Dá uma olhada aí nos episódios anteriores com carinho! Abração…

      Ah.. fui eu quem editou e trilhou… Valeu!
      .
      .

    • iskilo666 disse:

      Pra tú ver, esse é um Piratacast que voltou um pouco com as piadinhas, os últimos ou foram, na ordem técnico, sério e romântico.. hehe

  7. Anielton Chaves disse:

    Rapaz… para filmar tão longe assim só indica duas coisas: Estava comedo do Fogo ou que foi o culpado por botar fogo no carro….

  8. Show de bola hein galera, muito bom mesmo. Detalhe que as historias do Leo Lopes daria para escrever alguns livros. Sem contar é claro o Tourinho e Dudu.

  9. Muito bom esse cast,
    Meu perfil é: Moro com minha mãe, dividimos todas as contas, agora aos 25 anos pela primeira vez tenho dinheiro suficiente para morar sozinho, minha mãe por sua vez sempre quis se mudar para próximo de suas irmãs em Londrina, coisa que irá fazer assim que sua aposentadoria sair em poucos meses.

    Sobre a equipe, mandaram muito bem nos convidados, poderiam falar sobre Filosofia Holandesa pré 1600 que ainda ficaria interessante a abordagem.

    Grande Abraço!

  10. Ola piratas,
    Eu ainda moro na casa dos meus pais, por nao ver a necessidade de sair ainda, tenho 24 anos e faço faculdade (particular, pago metade e meus pais a outra metade) e trabalho em tempo integral, acho que se morasse sozinho nao teria condições de suportar os gastos e ainda continuar a faculdade…
    Mas tenho inveja de amigos que ja moram sozinhos, sei que um dia terei que me mudar, mas por enquanto vou aproveitando da boa vontade dos papais!
    Respondendo a pergunta do final eu gostaria de morar em algum lugar que fosse longe de onde passa carro, que nao tivesse poluição e que não fizesse muito calor hahaha
    E o Léo Lopez (vulgo leila lopez) fala PRA CARALHO!

  11. ComuCOD disse:

    KD A FOTO DA GOSTOSA DA MÃE DO CARA AI

  12. Diogo Lopes Bastos disse:

    Fala Piratas, agora que o Dudu Sales apareceu no Pirata, aumentaram as chanced o Jabour Rio no Papo de Gordo. Gostei bastante do tema, admiro as pessoas que viajaram para outros países e decidiram aprender sobre a cultura do país e não apenas ganhar dinheiro, nunca viajei para outros lugares e tenho vontade de sair de casa (apesar da minha mãe odiar essa idéia), pois quero ter essa experiência, mesmo que seja a pior de todas. Respondendo a pergunta: Tenho vontade de ir morar no Japão por adorar a cultura de forma geral (fotografia, história, arte, mangás, games)mesmo não sabendo falar uma palavra em japonês.

  13. Salve, pirataiada.

    Mesmo não sendo um exemplo de pessoa viajada (sempre morei na mesma cidade, de onde saio muito pouco), assumi papéis de responsabilidade muito cedo em minha vida.
    Faço uso de frases ditas por dois de meus cunhados, ambos bem sucedidos cada um no seu estilo: “Não depende só de nós” e “Vai pra cima”.
    É engraçado como frases tão conflitantes podem ditar uma fórmula para que, no final das contas, nem se cobre muito, nem se acomode com a situação.
    Infelizmente, como bom corintiano que sou, as coisas nunca vieram fáceis e se houve oportunidades, acho que não as enxerguei. Mas hoje, beirando os 40, não posso me queixar. Apesar de sempre almejar mais, reconheço as conquistas e procuro acima de tudo estar voltado à família, que mantenho satisfatoriamente.
    Estranho… comentar coisas tão particulares é um ato que, se não for feito na hora, perde um pouco a força. Ouvi ontem o programa e estava com um comentário enorme pra fazer, mas um bom tanto se perdeu. O envolvimento que estava sentindo ao ouví-los foi se diluindo conforme a mente foi se ocupando com as coisas do dia a dia.
    Este é um ponto a se considerar com relação aos comentários.
    Não sei se fiz bem em esperar, queria dividir muito mais com vocês, mas isso também é uma coisa questionável, já que é uma exposição às vezes até perigosa.
    Sei lá… fiquei confuso e estou divagando.

    Mas vocês TODOS mandaram muito bem.

    Abração.

  14. Francisco disse:

    Cabô já? Putz tava tão bom hein. Bacana o cast ficou com gostinho de quero mais. E sair de casa é dificil, pelo menos pra muita mentalidade deixar o conforto de casa pra buscar a vida la fora sem conhecer nada, efim é um desafio que somente é bom quando faz algum sentido.

    Abs,
    Francisco.

  15. E aí Piratas! Muito bom o programa! Também sou da turma que morei com meus pais até casar e, embora até tivesse curiosidade de tentar a vida sozinho, simplesmente acabou não rolando. Hoje casado também acho difícil acontecer algo dessa natureza, mas quem sabe?!?

    Sobre essas histórias no estrangeiro, me lembrei de uma estupidamente engraçada que um amigo meu (o MAL, que gravou o “Vá à Merda” lá n’A Espiral) contou quando ele fez intercâmbio na Nova Zelândia: ele estava entrando em um Burguer King (isso na época em que não tinha ainda a franquia no Brasil) e viu uma certa aglomeração em torno de um dos caixas. Se aproximou para ver e constatou que havia um sujeito – certamente brasileiro – insistindo de forma veemente com o atendente e falando em português. Imaginem a cena: ele dizia “EU” (batendo com a mão no peito) “QUERO” (batendo com a mão no balcão) “BATATA FRITA!!” (apontando para o cardápio acima do balcão). Após explodir em gargalhadas, ele conversou com o atendente e ajudou o pobre infeliz a saciar a sua fome! =D

    Programa espetacular, meus parabéns novamente! Abração, pessoal!!!

  16. Eu passei muito por estas coisas que vocês estão falando. Logo aos 7 anos meu pai foi transferido de Pereira Barreto para Franca, as duas cidades no interior de São Paulo.

    Logo cedo tive que refazer toda a minha rede de amigos e colegas de escola.

    Depois, aos 19 fui fazer faculdade em Ilha Solteira, onde fiquei apenas um ano. Ao sair da faculdade me mudei para Ribeirão Preto, onde fiquei por mais um ano. Morei em Franca por mais um bom período, mas voltar a morar com os pais depois de viver sozinho é complicado.

    Em 2003 me mudei para São Paulo onde estou até hoje. A última mudança foi por motivo de emprego, qdo fui convidado a ser operador de DtP em São Paulo. Economicamente foi uma boa opção, mas morar longe da família foi complicado no começo.

    Hoje estou casado com dois filhos e acho que para morar em outra cidade mais MAIS do que São Paulo, só mudando para Nova Iorque.

    Abraços e parabéns pelo “elenco de peso” deste cast.

    PAX!

    • Em tempo, sobre a criação dos nossos filhos, acho que temos que providenciar que eles tenham sua cota de frustrações pois elas fazem parte da vida e nossos filhos precisam saber que na vida nada cai no nosso colo de graça.

      Concordo muito com o que o Léo Lopes falou. Tem dificuldade na escola? Enfrenta. Seja educado da primeira vez, mas nada de ser o BULLADO da escola.

      A atual leva de jovens que está ingressando no mercado (na casa dos 20 ~ 25 anos) não consegue se relacionar com dificuldades ou enfrentar adversários. Isso tudo justamente pq sempre teve tudo de mão beijada pelos pais.

      Acho que deixei um link no Radiofobia que vou compartilhar aqui também. Vale a pena ler.

      http://revistaepoca.globo.com/Revista/Epoca/0,,EMI247981-15230,00.html

      • iskilo666 disse:

        Exatamente, seja educado no primeiro conflito, evite confusão, mas não adianta esperar comportamento altamente consciente de criança, e acho interessante ensinar a confrontar o agressor também.

        Temos que lembrar que para criança, se firmar perante as outras, e não ser o esquisitinho da turma, é importante para seu convívio social.

        • Exatamente.

          Acima de tudo temos q estar preparados para o confronto. A vida é confronto.

          Vc é contratado para resolver problemas, confrontar situações críticas. Não dá para eu sentar na frente de um novo rótulo da AmBev — que foi criado com muitos recursos — sentar e chorar. Ele não vai se AUTO RESOLVER A SI PRÓPRIO.

          Eu q tenho q acertá-lo. Ajustá-lo e mostrar pro meu chefe q sou melhor q os nossos concorrentes.

          Qdo vou pedir aumento, novo confronto.

          Qdo pego a Radial Leste um monte de novos confrontos.

          É a vida.

          Leiam a matéria q postei acima (da revista época) e me digam se não está certa em gênero, número e grau!

          Abraços.

          PAX!

  17. Mi disse:

    Adorei o programa, parabéns nautas e convidados!
    Em 2001, eu morei na área suburbana de Washington DC, em Rockville, Maryland. Eu fiz 1 mês de curso, mas já vinha estudando a língua desde 1992. Por isso, concordo com o Leo que precisa aprender a língua antes de morar fora. No meu caso, porque no momento que vc vai sabendo um tanto, lá no país vc se foca na pronúncia, no sotaque e tal. Nos meses subsequentes, eu fiz um trabalho voluntário em uma biblioteca pública, não ganhava $ mas ganhei uma gama de experiências ótimas. Fui baby sitter para uma familia francesa, o que agregou mais coisas legais.
    Hoje moro em São Paulo, sou natural de Porto Alegre e morro de saudade de um monte de coisas: familia, amigos, comida, paisagens…
    Tocando no quesito amigos e contatos que o Dudu falou, esse foi meu maior desafio ao vir pra São Paulo, é muito difícil fazer amigos na idade adulta.
    Abração!

  18. André Zuil disse:

    FalaE Galera, um programa com tantas estrelas não poderia ser nada menos que ótimo! Sobre o tema, já tive a oportunidade e o convite para me mudar de cidade mais de uma vez, já surgiu emprego em SP e refuguei, acho que porque tinha muito medo da cidade, afinal isso se passou antes deu ter ido para Cparty 2009, se fosse hoje, talvez eu me mudaria, outro grande convite era para ir à João Pessoa trabalhar em uma agência, mas não consegui me acertar com o dono da agência, na oferta, ele havia oferecido uma casa ou apto para morar lá, mas no final eu teria que ficar na casa dele, já vi que daria merda e pulei fora.
    .
    Que eu sou meio cagão com esse lance de mudar de cidade, isso eu já sei faz tempo, acho que o maior contribuidor é o fato de morar ainda com a minha mãe, apesar de que todos irão zombar, já adianto que não tenho problema algum com isso e segundo, depois que meu Pai morreu eu e minha mãe ficamos muito ligados e hoje seria muito dificil tanto pra mim, quanto pra ela largar esse vinculo.
    .
    Quem sabe um dia, se surgir uma boa oportunidade mesmo ou eu passar em concurso, algo do tipo eu m mude (se Deus quiser, isso acontece).
    .
    Grande abraço Piratas

  19. Nerdanderthal disse:

    Agora é sério, piratada!!!
    Mais um cast de altíssima qualidade.
    Tema inusitado, mas bem levado pela galera, muito divertido e informativo (agora já sei tudo sobre a vida do Leo Lopes, o homem q ministra Johrei com as tetinhas gordinhas).
    Minha vida foi totalmente fora do contexto do cast, ou seja, morei sempre com meus pais, depois eles moraram comigo e agora meus filhos moram comigo e pretendo depois morar com eles (antes q me coloquem num asilo).,
    Nunca conseguivter essa possibilidade de morar longe, sozinho. Sempre fomos super grudados em meus avós, tios, primos, filhos e nossa felicidade era (e ainda é, dentro do possível)estarmos juntos em aniversários, festas de fim de ano, férias em outras cidades, etc.
    Hoje, apesar de todos esses anos felizes convivendo com uma família tão grande e unida, reconheço q perdi muita coisa q me faria crescer espiritual e financeiramente, por não ter tido essa coragem de encarar outra vida lá fora, mesmo q por pouco tempo.
    Agora é tarde, mas espero q sirva de exemplo para meus filhos q ainda continuam grudados na gente.

  20. Rodrigo_X disse:

    Parabéns pessoal! Eu lembrei de cada coisa que passei quando morei em Diamantino-MT (200km ao norte de onde mora @iskilo666) pois lá não tinha muita coisa que eu achava fácil em Campo Grande-MS (onde moro novamente). Sempre nos fins de semana eu ia para Cuiabá apenas para comprar comida, como peixes de mar, alguns tipos de chocolate e sorvetes. Quando eu descobri que em Nova Mutum (120km) tinha uma sorveteria que fazia um milk-shake de ovomaltine semelhante ao do Bob’s, todo fim de semana eu ia para essa cidade praticamente só para tomar ovomaltine. Chegava na cidade, comprava um, tomava, comprava outro para carregar no isopor e um terceiro para vir tomando na estada de volta.

  21. Galera do Piracast, parabéns pela escolha do tema! Abandonei Mato Grosso do Sul para vir para Santa Catarina fazer mestrado em jornalismo, e uma coisa que me perguntam muito é quando eu volto pra “casa”. Respondo sempre que tudo depende. Pra que eu vou voltar pra MS, trabalhar que nem um fdp e ganhar uma miséria se surgirem oportunidades bem melhores por aqui? Claro que nesse meio tempo vou ficar vivendo de miojo, salsicha e coxinha da asa do frango, mas é o preço que se paga!

    • Cleverson disse:

      Eu também passei um bom tempo na base do “vendendo o almoço pra pagar a janta” logo que vim morar sozinho.
      De vez em quando a situação ainda aperta um pouco e voltamos a dar aquele alô pro miojo mas se alguém não passou por situações assim indo morar sozinho, ainda não sabe o que é a tal independência.

  22. Juan Krueger disse:

    Não sou fã do site, conhecí sem querer buscando coisas na net, ví que tinha participação do Affonso e do Diogo do MRG no cast de zumbi e baixei pra ver, gostei bastante, mas ñ baixei tdos os casts e tal, sei lá, escuto tanta coisa que às vezes tenho q podar algumas coisas pra ñ me sobrecarregar.
    Enfim, desde então venho vendo o site e quando sai algum cast com tema interessante, eu baixo.
    Nunca comentei antes e só queria dizer uma coisa: Obrigado! =]

  23. Juan Krueger disse:

    Opa! Fá-lo-ei certamente! =]

  24. Juliana Moreli disse:

    Parabéns pelo podcast! Ficou muito show!
    Venho escutando todos os piratacasts nos 4 ultimos dias e a cada programa gosto mais! Conheci o podcast atravéz do papo de gordo, podcast do qual sou fã!

    Nunca ouvi um podcast sobre o tema que fosse tão completo. Sempre pensei em ir morar sozinha (sozinha entenda-se fora da casa dos pais) pq sempre fui muito dependente da minha mãe, mas como a oportunidade ainda não apareceu, comecei a me preparar para o dia em q for me mudar. Passei de filha preguiçosa que não faz nada em casa pra alguem que lava louça, faz comida, faz despesa, ajuda a pagar as contas, compro meus móveis, minhas roupas e quando não sobra dinheiro pra fazer algo diferente, eu não peço para os meus pais. Vivo uma independencia dentro de casa mesmo. Tem alguns tios meus q até se espantam quando minha mãe fala as coisas qeu eu faço, de tão preguiçosa que eu era.

    Como me formo no próximo ano, já tenho em mente de me mudar para a Nova Zelândia. O problema é que a situação lá não está boa e não será nenhum pouco fácil arranjar algo. Mas sei que por pior que fique minha situação lá, será a melhor experiência que terei na vida!

    Continuem o bom trabalho e sucesso!!!

  25. Deivid Blackout disse:

    Fala marujada.

    Acabei deixando o piratacast por ultimo na minha lista por que o iPhone não mostrou o nome do episódio, se tivesse mostrado teria subido lá pro topo.

    Me identifiquei muito com o cast por que a poucos dias acabei de sair de casa e estou passando por tudo que ja foi falado. Claro que eu não fui tão lonje quanto voces mas a situação é a mesma.

    Agradeço por várias dicas citadas no podcast, serão muito úteis. A propósito, se eu sobreviver a essa experiência pretendo ir morar no Canada ou EUA ou Inglaterra.

    P.S.: Estou me fudendo muito mas estou adorando tudo ;D

    Meus parabéns pelo ótimo episódio do piratacast, sempre acompanhando aqui.

    Valeu
    Blackout

  26. Rafael Kamui disse:

    Muito legal o podcast, ótimas historias contadas por participantes engraçados.

    Concordo que não existe idade para jogar tudo pro ar e procurar outras oportunidades na vida. A questão é pesar o que você esta abrindo mão e oque você ganhar. Durante a faculdade comecei um estagio numa operadora de celular, e devido a varias pessoas saírem da empresa em menos de 1 anos eu passei de estagiário a coordenador de área, que me rendia uma boa condição financeira. Porém não gostava do meu emprego (extremamente desgastante e fora do foco que desejava para minha carreira) e logo ao final da faculdade tive a oportunidade de ir fazer meu mestrado em outra cidade e não pensei duas vezes, Larguei tudo e fui.

    Mesmo 4 anos depois ainda não recuperei meu padrão financeiro de vida (trabalhar como professor não ajuda), mas ao rever antigos colegas de trabalho vejo a frustração deles em continuar fazendo a mesma coisa, sem gostar, mas sem tentar mudar nada por já estar acomodado com a situação.

    Assim acredito que mesmo que você deixe algumas coisas para trás (conforto, salários e etc.), a experiência sempre é valida.

    • iskilo666 disse:

      Certamente Rafael, de ter que tomar uma titude mais drástica depois que se forma é bem delicada.. Eu estou passando pela mesma situação aqui, mas por enquanto, estou conseguindo conciliar os dois lados.
      Estou fazendo MBA, e virei sócio de uma empresa no meu ramo, e estou conseguindo me manter no meu trabalho antigo. Ainda não deu nenhum lucro extra, pelo contrário, só dividas, mas isso é natural de um investimento no começo.

  27. Angelo disse:

    Ae galera Pirata,
    Tenho que dizer que o Piratacast é um dos melhores podcasts da blogsfera. Fincando no mesmo nível do Papo de Gordo.
    Os temas são sempre muito bem discutidos pelo pessoal.
    Creio que a grande lição que ficou desse cast é que se tiver uma oportunidade de sair de casa e não tendo nenhuma responsabilidade nas costas (leia-se dependentes) tem que ir sem pensar duas vezes. A experiencia vale com certeza.
    Eu sai de casa com 17 anos, saindo do interior para a capital. Cheguei a fazer um curso de pouco mais de um mês fora do país e o aprendizado e crescimento pessoais não tem preço.
    Como gosto de brincar: no começo dói e é gostoso, depois só é gostoso!
    Abraços galera e continuem com o excelente trabalho.

    Angelo

  28. Ricardo Ferro disse:

    Boa, Piratas!
    O baú de vocês sempre recheado de tesouros, não decepciona nunca! Esse podcast foi mais uma grata audição. O tema poderia ter descambado facilmente pra uma série de historinhas engraçadas, mas o que se viu foi uma ponderação muito válida sobre o assunto. Parabéns à pauta, aos convidados, à edição.
    .
    A minha história – se é que ainda cabe mais alguma aqui nessa enxurrada de comentários:
    Saí de casa aos 18 anos e fui morar em Belém do Pará – igual ao Leo (aliás, um parêntese: se o Leo fala pelos cotovelos, quantos então ele deve ter?). Fiquei por lá uns treze anos. No começo, quando se vai longe de família e amigos – seus maiores vínculos – a saudade impera e a tendência a se valorizar o que ficou pra trás é enorme. Por conta disso, só fui me integrar de verdade à cultura paraense após uns 5 anos ou mais. Eu vivia sempre na esperança de que aquilo ali era provisório, que eu voltaria logo a Salvador. Resumindo: firmei-me na minha área profissional, aperfeiçoei algumas técnicas, casei duas vezes e tive um filho por lá. Em 2003 voltei a Salvador. Mas confesso que fiquei um pouco paraense desde então: tenho saudades de tacacá, sorvete da Cairu, praças de Belém, da música e dos amigos que fiz por lá.
    .
    A vivência de de dois casamentos, um filho, duas separações, morar sozinho, gerenciar o próprio orçamento, foram saldos positivos pelas experiências passadas. Por mais que os momentos e as saudades nos coloquem a dúvida pelo caminho tomado, o tempo nos mostra que o aprendizado compensa qualquer dor.
    .
    É aquela analogia da árvore que se alimenta das folhas que lhe caem ao solo e apodrecem: Transformar as experiências passadas em adubo pros períodos vindouros.
    E, é bom lembrar, crescer dói.
    .
    Abraços.

  29. Quando meu podcast crescer, quero comentários iguais aos do PirataCast! A galera aqui comenta legal!

  30. Eu já mandei um email contando do tempo que morei fora do RJ, mas só depois percebi q isso era o fim da história..

    Morei durante 4 meses na Alemanha (final de 1999 / inicio de 2000) (só pra constar, um carioca em Munique durante o inverno europeu), esses meses foram minha “despedida” da vida de civil, já que eu ia me apresentar ao quartel assim que voltasse pra casa.

    Não foi um periodo ruim, já que era casa de parentes, mas foi muito estranho. Um natal e ano novo muito longe da familia, um frio da porra,mas a compensação er um primo que nunca veio pro Brasil (e tinha cara de brasileiro) e minhas primas (duas loiras, lindas e gostosas que puxaram ao pai – Graças a Deus).

    Se o Jabour quiser eu conto essa história pra ele no skype.

  31. Willian, 14 disse:

    Putz, acabou que nem tinha comentado direito. Primeiramente, gostei muito do assunto do cast. É uma das coisas que eu deveria ouvir e me ajuda a saber o que fazer no futuro.

    Apesar de faltar um pouco de coragem, pra mim não será possível sair de casa, pois como disseram, desejo muito ajudar minha mãe, que está se esforçando pra pagar os estudos. :>

    Esperando o próximo cast :>

  32. Olá pessoal,
    sou o michel melo, e moro em portugal a 7 anos. quando cheguei aqui em portugal, era complicado de achar produtos do brasil.
    Sou mineiro e sou apaixonado por comidas de minas.
    no começo foi complicado adapitar ao estilo das comidas.
    o normal é primeiro uma sopa, depois um prato de qualquer coisa que leva peixe.
    ou pior um bitoque(bife,batata,uma colher de arroz, e salada).
    ou ainda uma feijoada portuguesas, que leva quase todos os tipos de legumes.

    Ai saudades do feijão tropeiro.

    depois de algum tempo começou a surgir lojas de produtos brasileiros, que com o preço, era complicado ir sempre lá pra compra algo. nos fim de semanas eu ir lá para compra uma skooll, e come um pastel de vento.
    bom hoje em dia é muito facil, vai no supermecado e acha algo do brasil.

    Se quizer fala sobre as diferenças em as palavras que são usadas aqui e no brasil. estou aqui para ajudar.

    fixe :)
    AH!!! vou deixa algumas palavras aqui.

    Sabe o que é bico em portugal?
    ou ainda pior
    sabe o que é rapariga?

    um grande abraço a todos.

  33. Inominavell disse:

    Caraca, muito bom o cast. parabéns À todos, principalmente ao leo e tourinho que para mim detonaram nesse.
    Digo que se tivesse ouvido isso antes minha vida seria bem diferente hehehhhe
    obrigado mais uma vez por compartilhar um pouquinho da vivencia de vcês!

  34. Sensacional o podcast, ouvir o relato dos participantes de como foi sair de casa e ir morar sozinho ou em outro país como o caso do Leo foi muito legal. Principalmente, porque estou planejando imigrar para o Canadá daqui 2 anos e ouvir as historia foi legal e ao mesmo tempo um choque de realidade com relação a deixar a familia, namorada, amigos para ir se aventurar em um país estranho, com outro idiota e cultura.

  35. jonathan disse:

    Eu não entendo esse negocio de ter que passar o Reveillon alegrinho, sinceramente eu estou cagando para reveillon, natal, pascoa depois que meu pais não puderam me obrigar, eu me esforço para evitar essas coisas

  36. Excelente epsódio parabéns, valeu e muito obrigado.

  37. Alan Daniel disse:

    Péra ae!! Jabour rio, Leo radiofobia e eduardo sales em um podcast, é obrigatório, tenho que ouvir. Então vamos baixar aqui e ver onde vai dar essa bagaça.
    ;-)

  38. Igor Lins disse:

    Certeza que não foram poucos que acharam inspirador/comovente (sic) as histórias contadas por vocês.

    Eu? Tenho 19 anos e aconteceu o contrário do comum: não fui eu a deixar meus pais, e sim eles que me deixaram. Eles me trouxeram de Curitiba para uma cidade no interior do Amazonas (Coari), após algum tempo se mudaram e decidi ficar por causa do trabalho. Aqui não há cursos universitários confiáveis, 2MB de internet custam R$12.000,00 e vivo tranqüilamente na base de Miojo. Não me vejo aqui por muito mais tempo, mas é fato que amadureci como nunca vivendo sozinho e numa cidade como esta neste último ano.

    Parabéns pelo excelente podcast.
    Abraço, piratas!

  39. Marcos Tasca, 33, brasília disse:

    Opa! Parabéns muito bom o tema!

    Nada como sair de casa e ir morar fora, ainda mais se for morar no exterior!

    No meu caso a ida para o exterior foi o trampolim para sair da casa da mãe! Morei 1 ano e meio em Dublin, Irlanda. Quando voltei como sou natural de Porto Alegre fiquei 6 meses na casa de minha mãe e arrumei um emprego em Brasília. Desde então estou no DF com esposa e meus 2 filhotes.

    E quem tiver a oportunidade de ir morar fora ou até mesmo em outra cidade aqui do BR sozinho vá! Nada como ter experiência sem a família por perto e ter que se virar sozinho!

    E sobre o comentário de não ir morar no exterior sem saber a língua nativa! Isto depende de cada um e do planejamento de cada um.
    Eu fui sabendo apenas o basicão da escola. Me organizei para estudar e conseguir um nível mínimo para arrumar uma entrevista de emprego no período de 1 mes. E consegui, e olha que eu não sou dos mais organizados em! Então isto vai de cada pessoa. Na minha opinião o negócio é ir, pq se ficar nesta de não sei o idioma vai acabar nunca indo!

    Abraço a todos!

  40. Ivsucram disse:

    Ötimo cast, curti. Estou morando em Taiwan a quase 4 meses já trabalhando como Engenheiro da Computação no Science Park de Hsinchu (conhecido como o vale do silício da Ásia).

    Várias coisas que vocês relataram acontecem comigo aqui, mas apesar de tudo estou tendo uma ótima experiência em um maravilhoso país com uma cultura tão mágica e diferente da nossa.

  41. [...] Piratacast (episódio em que o FatFr0g é “homenageado” no final) [...]


    .
    @jabour_rio, @iskilo666, @junior_cq,
    @cleverson, @piratacast, @baupirata