Facebook do Piratacast Twitter da Equipe Piratacast TV do Bau Piratacast, Diário de Bordo e Papo Pirata Feed do Site Feed do Podcast Assine no Itunes Entre em Contato

[Arquibalda] – Brasil x Argentina

28 / jun / 2010
Convidado Pirata


Sim, meus queridos! Hoje nós vamos conversar um pouco sobre a nossa histórica intriga futebolística com os hermanos. De onde veio? Para onde vai? Quem é melhor? Por que o Ronaldinho não foi pra Copa? Enfim, são muitas perguntas e poucas respostas. Vamos ver, então, se as minhas argumentações e opiniões conseguem dobrar vocês.

O começo de tudo

Acredito que nenhuma pessoa ainda viva possa nos dizer, com uma boa base de precisão, quando nossos “problemas” com os argentinos começaram.

Quando falamos em argentinos a primeira coisa a ser ouvida é “ah, aquele bando de sem vergonha” ou “são um bando de #^%@&, tem que apanhar mesmo”. Somos os primeiros a dizer que os argentinos são catimbeiros, safos e etc mas, paralelo a isso, temos orgulho de falar do nosso “jeitinho brasileiro”.

Então quer dizer que, lá, ser safo é sem-vergonhice e aqui é tradição bonitinha? Ok.

Pesquisando nos históricos de confrontos Brasil x Argentina, encontrei que o primeiro duelo mais grave foi em uma partida em 20 de dezembro de 1945, onde 2 jogadores brasileiros (Zezé Procópio e Chico) quebraram a perna do zagueiro Batagliero, sem que o juiz visse.

No ano seguinte, em outro jogo contra a Argentina, Chico entrou em campo jurado de morte pela torcida e pelos jogadores.

Em entrevista, ele disse que de 10 partidas disputadas contra a Argentina, fosse clube ou seleção, 9 ele foi expulso. Merecidamente.

Depois desse período dos anos 50-60 temos um hiato de pancadarias e grandes problemas, até que chegamos na era Maradona.

Dieguito e la mano de Dios

A teoria que eu defendo é que toda nossa implicância extrema com os argentinos começou na geração Maradona, principalmente depois do mundial de 86 e a famosa mão de Deus.

Sim, foi uma jogada desleal e etc pra tudo que quiserem falar mas, no ritmo que a Argentina vinha desde o mundial anterior e, principalmente, no ritmo que o Maradona vinha jogando acho muito, mas MUITO díficil eles poderem ter perdido aquela Copa, com ou sem uma mãozinha.

O problema é que agente procura sarna pra se coçar. Desde 86, quase 25 anos, passamos em loop a cena do famigerado gol e descemos a lenha no maior atleta argentino que já existiu. Cruscificamos o cara por causa de um lance. UM!

Se o Brasil ganhar a Copa da África quero ver quanto tempo nós vamos ficar falando e apedrejando o gol de mão do Luiz Fabiano.

Enfim, continuando…

Edison, o Pelé

O nosso rei do futebol.

Assim como Maradona, Pelé foi um cara ímpar no nosso esporte mas, ao contrário do que muitos pensam e principalmente, ao contrário do que 99% dos que atiram pedras nos argentinos pensam, Pelé também já fez merda.

30 de novembro de 1966 era o dia. Decisão da Taça Brasil lá no Mineirão. O Santos de Pelé que, na época, era o melhor time do mundo (e era mesmo), tomou uma lavada de 6×2 do Cruzeiro, time que recém começava a despontar no país.

5×0 só no primeiro tempo.

O ocorrido do nosso rei aconteceu depois de várias e várias vezes ele perder a bola para Piazza. Em nenhum momento Pelé conseguiu fazer das suas graças. Cansado de ser feito de bobo, partiu pra ignorância e teve o cotovelo acertado pelo corpo do jogador cruzeirense (se é que você me entende). Resultado: expulsão.

Garanto que esse grande momento, digno de Maradona, você nunca viu a TV nacional mostrar, né?

Maradona x Pelé

Não há motivo de tanta falação e discussão querendo saber quem foi o melhor. Ambos jogaram em épocas muitos distintas. Aliás, Pelé foi campeão do mundo pela primeira vez quando Maradona nem era nascido ainda!

Pelé foi o melhor do mundo na sua época, assim como Maradona. Messi é o melhor atualmente assim como Ronaldo foi a 10 anos. Gostar ou não dos argentinos não vai fazer esses fatos serem mentira.

Brasil x Argentina, hoje

Outro ponto que defendo é que as gerações mais novas já nascem com uma característica default de não gostar de argentinos, mesmo sem saber o porque. É como torcer para um time porque o bisavô, o avô, o pai, o tio, o cachorro, periquito e papagaio torcem para o mesmo time. Seguir o fluxo, em alguns casos, não é a melhor opção.

Se nós tivessemos presenciado todos os antigos embates entre nossas seleções e tivessemos visto tudo que um e outro lado fez, talvez pudessemos ter argumentos suficientes mas hoje o futebol é igual, tanto lá como aqui.

O eterno argumento de que “argentino é marrento” não cola mais.

Em um jogo Corinthians x Palmeiras é tão fácil quanto, ou até mais, de ver pancadaria do que em um Brasil x Argentina. Isso pra citar só UM clássico nacional. E, antes que você queria defender, eu reforço: você vai dizer que atitudes assim, aqui, é a rivalidade e a tradição e com a Argentina é porque eles são sem-vergonha?

Isso é ignorância. É ver e não querer enxergar.

Outra coisa: se não gostamos tanto dos argentinos, por quê brigamos tanto com eles nos clássicos internacionais mas aclamamos tanto esses mesmos argentinos em nossos clubes? Vale citar aqui Riquelme, Tevez, D’Alessandro, Conca, Mascherano, Herrera, Escudero…

Quer que continue?

Eu torço para o Brasil, mesmo que muitas vezes seja pelo simples fato de ser o meu país e eu “não ter escolha”, mas torço. Mesmo quando o time é uma porcaria, lá no fundo agente guarda uma esperança de conseguir vencer qualquer coisa mas não dá pra negar a Argentina que vemos hoje.

Eles têm, sim, um futebol melhor que o nosso (hoje) e acredito, além disso, que implicamos tanto com eles e com o ídolo-técnico Maradona porque conseguiram fazer o que nós não conseguimos: juntar um dream team, aclamado pela nação e que jogasse como ninguém. Vide o que foi feito em 82 e 98 com a seleção canarinho.

Eu gosto do Maradona, gosto da Argentina e gosto de ver jogarmos contra eles pois – apesar da vontade de bater neles que, como disse, já vem nata nas pessoas – sempre sai um bom futebol.

Espero que o Brasil ganhe a Copa mas, se não der Brasil, que seja Argentina, porque eles merecem.

Comente no BauPirata e concorra a um brinde!

Quer saber como?

Confira o Post “Ganhe Meias do Pablito na Copa”

Categoria(s): Arquibalda

4 marujos comentaram até agora...

  1. […] This post was mentioned on Twitter by Valéria, Cleverson Braga. Cleverson Braga said: Tomando o lugar da @valeriafla na coluna "Arquibalda", lá no #baupirata: http://bit.ly/ahXeo9 Brasil x Argentina […]

  2. .
    .
    Pra defender o Maradona e a Argentina só poderia ser o Cleverson mesmo… Isso já diz tudo… hehehe.
    .
    .

  3. Ana Lucia disse:

    Creio ser interessante mencionar que se na década de 50-60 o pau comia solto em campo, a Copa de 78, mais até do que a “mão de Deus”, fomentou a rivalidade com nossos “hermanos”.
    Eu tinha uns 10 anos na época, e não curtia necas de futebol. Com certeza, eu, em minha inocência, não entendia como um time tão bom como o brasileiro, que ganhava de tudo e todos, saiu invicto da copa por conta da goleada que a Argentina enfiou no Peru.
    A garotada de 1986 com certeza ouviu seus pais falarem muuito dessa história, e acabaram herdando a bronca.
    Ao menos, é a minha teoria. =^.^=

  4. Cesar disse:

    Há uma outra “coisinha” que vc não menciona no seu texto em torno da rivalidade: o Santos de Pelé, o Palmeiras de Ademir da Guia, Cruzeiro, Inter..etc…e qualquer outro time brasileiro que jogasse a Libertadores nos anos 60 e 70 era “recebido” calorosamente na Argentina com o canto de “macaquitos”…etc…fora a “trampa” argentina para ganhar os jogos no quase “vale tudo” dos anos 60 e 70.


    .
    .
    .
    .
    .
    .
    .
    .
    .
    .
    .
    .
    .
    .
    .
    .
    .
    .
    .
    .
    .
    .
    .
    .
    .
    .
    .
    .
    .
    .
    .
    .
    .
    .