Facebook do Piratacast Twitter da Equipe Piratacast TV do Bau Piratacast, Diário de Bordo e Papo Pirata Feed do Site Feed do Podcast Assine no Itunes Entre em Contato

Mulher não Entende de Futebol?

4 / jun / 2009
Convidado Pirata


“Mulher não entende de futebol”
“Estádio não é lugar de mulher”
“Você gosta de futebol? Maria Chuteira!”

futebol

Já ouvi isso diversas vezes e sempre me pergunto: “Em que século estamos?” Coisa digna de homem das cavernas falar uma coisa dessas. Amo futebol, sempre vou ao estádio e posso não ser uma expert em futebol, mas não sou uma ignorante. Então vejo que essas colocações acima não tem o mínimo fundamento, visto que, gosto e entendo bem mais do que muito homem.

Meu amor pelo futebol veio do meu pai. Rubro-Negro roxo. Ele viveu a era de ouro do futebol. Viu Zico, garrincha, Reinaldo, Pelé… E era rato de estádio. Estava no Maracanã nos jogos mais irrelevantes, mas também nos mais decisivos, como o Flamengo x Atlético Mineiro em 1980, onde 190 mil pessoas fizeram um dos maiores públicos do Maracanã EVER! Meu pai não é aquele fanático que grita gol e chora. Flamengo faz gol, ele sorri e no fim do jogo, se o Flamengo ganha, é um poço de bom humor. Se Flamengo perde, ele vai dormir mais cedo, passa mal da pressão, fica mal humorado, com dor de cabeça. Assisti isso a minha infância toda. Ele nunca comprou pra mim uma camisa do Flamengo e disse: “Você vai ser Flamengo!”. Nunca me levou ao Maracanã. Ele me passou o sangue rubro-negro. Me passou a paixão pelo modo mais simples: genes.

jogo

E junto com essa paixão, veio o interesse pelo futebol em si e acabei aprendendo o significado de vários termos do futebol como “categoria de base”, “escanteio”, “impedimento”, “zagueiro”, “balão”, “volante”, “drible da vaca”, “ovinho”, “elástico”, “chocolate”, “tiro de meta”, “centroavante”, “beque central”, dentre outros. Uma vez surpreendi um cara porque sabia a diferença do 3-5-2 pro 4-4-2. Ele ficou assustadíssimo. Eu fiquei mais espantada ainda porque gosto de futebol tanto quanto ele e isso não me desqualifica por ser mulher. Porque não poderia saber a diferença de um pro outro?

torcida

Se você procurar em algum dicionário, o significado para a palavra “Arquibaldo(a)” significa “herói, corajoso, correto, ousado”.  No Maracanã significa que você está na arquibancada… Houve um tempo que existiram os geraldinos. Mas os Arquibaldos sempre estiveram acima deles. É na arquibancada que se sente mais emoção, onde há muita história. Seja no “Maraca” ou em qualquer outro lugar o que vale é o futebol. O momento do gol é o momento mais sublime. Na hora do gol não existe mulher, homem, pobre, rico. Todos ali são desconhecidos mas se abraçam como irmãos porque compartilham da mesma paixão. Vi homens se abraçando comemorando o gol do Petkovic na decisão do Carioca de 2001, chorando como crianças na derrota na decisão da Copa do Brasil contra o Santo André em 2004. Demonstrar emoções não é coisa de mulherzinha? Não. Só demonstra sentimento quem tem sentimentos pra demonstrar. E isso não tem sexo. Então como dizer que estádio não é lugar pra mim? Como dizer que meu lugar não é ali? Impossível.

Tem limão, tem mate, melancia fatiada,
O globo sal e doce, dragão chinês
Tô no rango desde as 2 e a lombra bateu
O jogo é as 5 e eu sou mais o meu
Tô com a geral no bolso garanti o meu lugar
Vou torcer, vou xingar pro meu time ganhar…

Porque eu quero ver gol eu quero ver gol
Não precisa ser de placa eu quero ver gol

Música “Eu Quero Ver Gol”
Grupo “O Rappa”

Meu nome é Valéria, sou rubro-negra e arquibalda com muito orgulho.

Todas às quintas vocês acompanharão um ponto de vista femino sobre futebol. Não farei “Mesa redonda” com os resultados da rodada… Pretendo trazer o que acontece de mais curioso e inusitado em um jogo, seja no gramado, arquibancada ou na sala de TV. Até semana que vem!

Categoria(s): Arquibalda

6 marujos comentaram até agora...

  1. Nand0Gauch0 disse:

    Maizaaaaa, parabéns pela coluna Valéria, ficou show.

    Mas acho que não é tanto preconceito, pelo menos não da minha parte, o que vejo é que poucas mulheres sacam de futebol, e ficar esplicando sempre as mesmas regras para a mesma pessoa enxe o saco, eu tb me espatei ao saber que existe uma mulher que sabe a diferença no posicionamento tático.

    Só falta agora tu participar de um podcast sobre futebol hehehe ai ia ficar show 😀

    FLw

  2. Tiago Tavonerd disse:

    Que será essa coluna? Um guia futebol para leigos? Já que você disse que não será "mesa-redonda", não sobra muita coisa. Sei lá, mas será que tem conteúdo pra preencher esse espaço toda semana?

  3. jabour_rio disse:

    .
    .
    @Tiago Tavonerd
    .
    Vai ter que esperar e confiar… HAHA.
    .
    .

  4. Valéria Fla disse:

    .
    @Nand0Gauch0
    E só falta eu ser convidada pra isso!
    (aquela que se joga! rs)
    .
    .
    @Tiago Tavonerd
    E desde quando falta assunto pra uma mulher falar? rs
    .

  5. adri disse:

    Quem disse que futebol não é assunto para mulher discutir.
    Sou torcedora, mas não fanática.
    Quando o Grêmio joga no Olímpico e você vê a nação tricolor gritando, empurrando, dando força para o time é um espetáculo a parte.
    Lembro dos bons tempos de Jardel como jogador do time.
    O clube revelou grandes jogadores como o Ronaldinho Gaúcho, Anderson, etc…
    Torcedor(a) que é torcedor(a) tem que conhecer pelo menos o básico, acompanhar através da mídia e do próprio contato direto com o clube como o seu time está se saindo nos campeonatos que participa, conhecer um pouco da história do clube, etc…
    Enfim, sou torcedora do Tricolor Gaúcho. E como diz o hino do Grêmio:
    Até a pé nós iremos
    Para o que der e vier
    Mas o certo é que nós estaremos
    Com o Grêmio onde o Grêmio estiver.
    É isso ai.

  6. Alessandra disse:

    Olá, Valéria, parabéns!!!
    Adorei suas explicações!!!
    Sou Pernambucana e torcedora do Sport, sou mulher e também gosto de futebol!!!


    .
    .
    .
    .
    .
    .
    .
    .
    .
    .
    .
    .
    .
    .
    .
    .
    .
    .
    .
    .
    .
    .
    .
    .
    .
    .
    .
    .
    .
    .
    .
    .
    .
    .